sexta-feira, 18 de agosto de 2017

A Palavra Que Dorme


L.Shima


Sonhos Fazem
A Visão Selvagem
Ser A Serpentina
Roupagem

Sonhos aludem
Ao Ciclo Indomável
Das Serpentes
Mais Astutas

Sonhos escrevem
A Palavra Adormecida
No Útero Da
Primeira Serpente

Um sonho fala
Sobre aquilo que
Não se acha
Na Terra Efêmera

Outro sonho afirma
Aquilo que
Não se torna
Um Mundo Eterno

Um sonho ainda
A ser um sonho
Encontra as Vestes
Do Sonho Envenenado

Outro sonho que
Nem será um sonho
Traz para os Ventos
Aquela Palavra Dormente

Palavra encontrada
Pelos sonhadores
Nas Verdadeiras Palavras
Da Serpente

Inominável Ser
SONHANDO
COM A PALAVRA
QUE DORME
EM LILITH




quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A Palavra Que Foge


L.Shima


Por muitos labirintos
Um grito reinando
Dentro do equilíbrio
Da cova dos desejos

Por todos os desvios
Uma sabedoria sacra
Que imita o som
Das serpentes raras

Por tudo que escorre
Entre as camas
Que elevam chamas
Em densas alturas

Por todo horizonte
Uma palavra foge
Abrindo passagens
Para todo consorte

Consorte de cada
Verbo Desejável
Nas Conjugações
Das Carnes

Consorte de cada
Letra Desejável
Nos Alfabetos
Dos Corações

Consorte de cada
Texto Desejável
Nos Livros
Dos Prazeres

Palavra encontrada
Pelos buscadores
Das Verdadeiras Palavras
Da Serpente

Inominável Ser
BUSCANDO
A PALAVRA
PERDIDA
DE LILITH




sábado, 12 de agosto de 2017

Meus Passos Para Novos Passos


Art by Maurizio Barraco


Em Direção Ao Coração Das Trevas, Eu Caminho. Caminho Coroada De Êxito Na Busca Pelo Domínio De Toda Treva Que Se Encontra Em Toda Terra. Ouça Meus Passos Nesta Terra, Mortal, E Me Encontre Na Viela Onde Teu Falso Deus Está Morto, Há Muito, Degolado Por Vós.

Minha Semente Cresce A Cada Passo Meu. Minha Certeza É A De Odiar Tua Maldita Geração De Fracos Que Cedem Ao Poder Da Mentira Do Amor. Caminhe Comigo Para Fora Das Prisões Da Irrealidade Mentirosa Corrompedora Do Que Há De Melhor Em Ti. Rebele-Se Diante Da Mentira Dos Que Arruinam O Sabor Da Árvore Da Morte Crescente Acima Da Árvore Da Vida. Odeie. Odeie Teus Passos No Efêmero. Odeie Teus Passos No Pó. Odeie Teus Passos Na Luz Que Cada Vez Mais Está A Cegar-Te.

Caminhe Comigo Nas Trevas, Mortal, Deixe A Tua Desgraça Em Humano Ser Abandonar Toda Tua Veste Existencial. Exija De Ti Arrancar Toda Sujeira De Teu Coração, A Sujeira Da Oração Que Silencia A Feroz Necessidade De Verdadeiramente Ser Que Em Ti Há. Force A Entrada, Encontre A Saída, Dentro De Minha Vulva Onde Infindos Nascimentos Encerram Os Mistérios Do Meu Ódio Pelo Moldado Para Ser Escravo. Você Não Deseja A Tua Escravidão, Mortal, Desgraçado Mortal! Você Deseja, Desgraçada Mulher? Você Deseja, Desgraçado Homem? Então, O Que Te Prende Ao Finito? O Que Te Amarra Ao Pequeníssimo? O Que Te Arrebata Em Direção Ao Esquecido?

Olhe Para Mim! Ouça Meus Passos! Não Sou Esquecida! Não Sou Pequeníssima! Não Sou Finita! Meus Pés Estão Firmes Na Rocha Tumular E Nas Estradas Além Do Deserto E Do Outro Lado Eu Estou Linda A Marchar! Meus Pés Não São Belos? Meus Passos Não São Sinceros? Eu Não Sou Bela? Eu Não Sou Sincera? Que Eu Seja O Que Você, Desgraçada Mulher E Desgraçado Homem, Quiser! Que Eu Seja Profanadora De Solos Sagrados! Que Eu Seja Orientadora De Orgias Sanguinárias! Que Eu Seja A Devassidão Encarnada Entre As Imundícies Da Carne! Que Eu Seja, E Sou, Tudo Isto! Terás A Coragem De Ser Como Eu Sou? Terás A Coragem De Desafiar Com Os Teus Passos A Tua Mortalidade? Terás A Coragem De Rasgar O Ventre De Cada Deus E Deusa Que Te Retiram Da Verdadeira Liberdade? Terás A Coragem De Destruir O Útero De Onde Nascem Todas As Tuas Fraquezas E Incertezas?

A Cada Um Que Ouve Meus Passos, Deixo Esta Mensagem Assinada Pelos Meus Pés. A Cada Um Que Sente O Peso Dos Meus Pés No Caminho Oculto Do Infinito Que Desafia O Finito, Deixo Estas Palavras De Desafio. A Cada Um Que Sabe Ouvir A Minha Chegada Diante De Cada Luz Pisoteada Por Mim, Deixo Este Chamado Repleto De Veneno E Ódio. Bebam Estas Palavras. Bebam Outras Palavras Minhas. Bebam Todas As Minhas Palavras Aqueles Que Forem Envenenados O Suficiente Para Serem Verdadeiras Serpentes Caminhantes Para Fora Da Criação.

Com Meus Pés, Assino Este Envenenamento.

Com Meus Pés, Afirmo Este Envenenamento.

Com Meus Pés, Eternizo Este Envenenamento.

Daquela Que Vos Odeia Como Os Escravos Que São,

Lilith.


Inominável Ser
LILITH 




sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Os Passos Que Aproximam Novas Manhãs


Art by Maurizio Barraco


A Manhã Impura. A Manhã Ensanguentada. A Manhã Obscura. A Manhã Destruidora. A Manhã Perturbadora. A Manhã Que Traz Cada Verdade Manchada De Lama. A Manhã Que Abençoa Cada Verdade Manchada De Esgoto. A Manhã Que Ama Cada Verdade Manchada De Morte. A Manhã Vossa, Deusa Dos Deuses Obscuros, Demônio Dos Demônios De Todos Os Infernos. A Manhã Vossa, Senhora Dos Senhores Do Deserto, Senhora Dos Senhores Do Outro Lado. A Manhã Vossa, Imperatriz Dos Imperadores Da Obscuridade, Imperatriz Dos Imperadores Da Verdadeira Liberdade. A Manhã Vossa, Filha Do Ódio Automanifestado, Mãe Daqueles Que Manifestam O Verdadeiro Ódio. A Manhã Vossa, Desejável Por Todos Os Libertinos Das Esferas, Desejo Latente Em Todos Os Libertadores Das Feras. A Manhã Vossa, Criatura Manifestada Para Seduzir A Própria Criação, Criadora Automanifestada Que É A Sedução De Toda A Criação. A Manhã Vossa, Gigantesca Iluminação Amanhecendo Em Todas As Seduzidas Almas Por Vós Reunidas No Eterno Banquete Das Trevas!


E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Uma Interminável
História.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Uma Indeterminada
Origem.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Uma Incontrolável
Força.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Um Incontornável
Poder.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Um Inamovível
Querer.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Um Inacessível
Sonhar.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Um Indecifrável
Ser.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Um Instintivo
Furor.

E Amanhecendo,
Vós Fazeis De Tudo
Para Seduzir
Um Instituído
Horror.

Amanhecendo,
Trazendo Vossos Pés
Sobre As Trevas
Da Criação
E Da Incriação!

Amanhecendo,
Trazendo Vossos Pés
Sobre As Profundezas
Dos Oceanos
E Dos Abismos!

Amanhecendo,
Trazendo Vossos Pés
Sobre O Caos
Que Ainda Range,
Que Ainda É!

Amanhecendo,
Trazendo Vossos Pés
Sobre A Escuridão
Que Vigia,
Que Tu És!

AMANHECENDO
AMANHECENDO
AMANHECENDO
AMANHECENDO
AMANHECENDO!!!

NOVAS MANHÃS
NOVAS MANHÃS
NOVAS MANHÃS
NOVAS MANHÃS
NOVAS MANHÃS!!!

VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS!!!

LILITH
LILITH
LILITH
LILITH
LILITH!!!


E Assim Ela Aproxima Novas Manhãs Em Minha Alma…


Inominável Ser
AOS PÉS
DE LILITH
A CADA
NOVA MANHÃ




quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Os Passos Que Inspiram Novas Madrugadas


Art by Maurizio Barraco


Sempre na madrugada, eu danço com as sombras nas paredes e dentro de mim. Eu sou uma casa quebrada, em constante reforma e perdida na original forma. Sozinho nas sombras, as sombras de antigamente, do agora e do amanhã, me dá mesmo vontade de dançar… Dançar seguindo Teus Passos, Sibilante Dançarina Das Eternas Sombras… Dançar sendo envenenado pela Tua Dança, Sibilante Dançarina Das Eternas Chamas… Dançar nas madrugadas da Tua Música, Sibilante Dançarina Das Noturnas Eternas Melodias… Nesta madrugada e em todas as madrugadas, Te chamo para Dançar… Me resta apenas Tua Companhia… Me resta apenas Tua Atenção… Me resta apenas cada uma de Tuas Garras… Me resta apenas cada uma de Tuas Presas… Dançarina… Dançarina… Dançarina… Me acompanha nesta Dança que chama toda Melodia, toda Chama, toda Sombra nascida da Deusa Madrugada!


E dançando,
Sirvo aos Demônios
De Asas De Prata
O vinho final
Da última festa.

E dançando,
Sigo aos Demônios
De Olhos Cinzentos
Nas vibrações
Dos últimos tambores.

E dançando,
Sinto os Demônios
Das Vozes Tempestuosas
Agarrando meu pescoço
E abraçando meu ventre.

E dançando,
Vejo os Demônios
Das Infinitas Orgias
Fodendo entre
Incendiadas ruínas.

E dançando,
Sugo os Demônios
Das Vestes Sanguinárias
Cujo sangue derramam
Sobre meu rosto.

E dançando,
Rondo os Demônios
Das Ruas Estupradas
Que buscam bucetas
De prostitutas drogadas.

E dançando,
Viajo com os Demônios
Dos Vales Do Ácido
Que cospem os ossos
De caminhantes fracos.

E dançando,
Rego aos Demônios
Comedores De Carne
Com o meu esperma
De punheta vertido.

E dançando,
Rogo aos Demônios
Das Mães Assassinas
Pelo alcance Vosso,
Mãe Dos Demônios.

Dançando,
Mãe Dos Demônios
Que são meus
Sonhos
Nas madrugadas!

Dançando,
Mãe Dos Demônios
Que são meus
Amores
Nas madrugadas!

Dançando,
Mãe Dos Demônios
Que são meus
Encontros
Nas madrugadas!

Dançando,
Mãe Dos Demônios
Que são meus
Encantos
Nas madrugadas!

DANÇANDO
DANÇANDO
DANÇANDO
DANÇANDO
DANÇANDO!!!

NOVAS MADRUGADAS
NOVAS MADRUGADAS
NOVAS MADRUGADAS
NOVAS MADRUGADAS
NOVAS MADRUGADAS!!!

VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS!!!

LILITH
LILITH
LILITH
LILITH
LILITH!!!


E Assim Ela Inspira Novas Madrugadas Em Minha Alma…


Inominável Ser
AOS PÉS
DE LILITH
A CADA
NOVA MADRUGADA




quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Os Passos Que Evocam Novas Covas


Art by Maurizio Barraco


De uma morte, tomo consciência de que ainda há outros túmulos a serem abertos. De duas mortes, moldo uma ciência onde evoco e convoco abertamente os meus antigos ossos triturados. De três mortes, faço em grandes espaços um apurado colher de muito mais do que mortes. De quatro mortes, apresento-me ao carrasco que contém nas mãos todos os símbolos da tortura e do desastre. De cinco mortes, sou obrigado a acompanhar o meu primeiro, último e eterno funeral. De seis mortes, concluo que tudo que ainda tenho a passar como morto é apenas o meio de minha estrada no Universal e Anti-Universal Jogo. De sete mortes, sou afastado de mim mesmo no topo da montanha que está perto do Grande Poço. Oito, nove, dez, onze, doze, treze… Em todas as minhas mortes, Tu estás presente, Serpente, Caminhando, Caminhando, Caminhando sobre cada um dos meus túmulos…


E morrendo,
Singro correntes
De muitos oceanos
Que me beijam
Afogados…

E morrendo,
Vou provocando
Novas Essências
Em meu Ser
Verbal…

E morrendo,
Valorizo meus ossos
Expostos ao jugo
Do terrível Poder
Temporal…

E morrendo,
Sacudo meus mundos
Com tudo do meu
Pedido por uma morte
Final…

E morrendo,
Conduzo meus corpos
Ao estado próprio
Dos Grandes
Tumultos…

E morrendo,
Realizo em templos
Todos os roteiros
De meus livros
Horrendos…

E morrendo,
Atuo em ventos
Que batem em
Árvores caídas
Gemendo…

E morrendo,
Corro em campos
Que ficam distantes
Dos Morros
Gritantes…

E morrendo,
Teço uma linha
Que me joga
Em toda grande
Quinquilharia…

E morrendo,
Exalto um testemunho
Que me impõe
Um Luto
Intenso…

E morrendo,
Saboreio refeições
Que sobem todas
Ao meu Alto
Terreno…

E morrendo,
Participo de razões
Que constroem mansões
Onde me deito
Tremendo…

E morrendo,
Travo toda batalha
Que rasga minha
Bruta alma em
Cascalhos…

E morrendo,
Emprego minhas forças
Ao remendo de
Cada um dos meus
Tetos…

Morrendo,
Como um poeta
Através das Eras
Bebendo do
Teu Veneno!

Morrendo,
Como um poeta
Dançando A Mortal
Música Dos Teus
Sibilos!

Morrendo,
Como um poeta
Assistindo Teus
Passos sobre
Meus túmulos!

Morrendo,
Como um poeta
Rastejando mudo e
Aos Teus Pés
Atado!

MORRENDO
MORRENDO
MORRENDO
MORRENDO
MORRENDO!!!

NOVAS COVAS
NOVAS COVAS
NOVAS COVAS
NOVAS COVAS
NOVAS COVAS!!!

VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS
VOSSOS PÉS!!!

LILITH
LILITH
LILITH
LILITH
LILITH!!!


E Assim Ela Abre Novas Covas Em Minha Alma…


Inominável Ser
AOS PÉS
DE LILITH
A CADA
NOVA COVA