segunda-feira, 19 de maio de 2008

Fluindo Os Temperos Secretos


Os doze mil motivos

nascem no esmorecer de meus

sentidos

diante da brutalidade

de teu corpo sensualíssimo,

sede dos prazeres que movem

até as coisas inamovíveis

dos Campos Dos Infernos.

Doze mil motivos

em infinitos temperos,

os temperos cálidos

das frutas que colho

em vossa vulva de dama

que na cama geme poderosa

a fim da garantia

do êxtase final da mais gostosa

das fodas.

O tempero da tua boca

vem e vai,

teus lábios sinto me chupando,

bem chupar é tua arte

muito voraz,

bem chupar é tua arte

muito ativa e altiva,

como tu chupas

e como tua boca se enche

do sêmen meu

que te fertiliza!

O tempero dos teus seios

é uma doce harmonia

de sonhos jazendo múltiplos

no meu pau,

enfio meu pau entre teus seios,

esfrego-o como galante safado

cavalheiro,

seios teus depois,

pelos ardentes bicos avantajados,

chupo por horas,

concedo-lhe a honra

de chupá-los por horas,

até que teu êxtase final

faça com que eu absorva o

líquido oculto presente

em suas tetas magistrais!

O tempero da tua barriga

sinto com a ponta da

minha legítima língua

de amante racional,

eu me concedo filosofar

nos centímetros todos

de tua deliciosa barriga,

minha língua giro,

minha língua ordeno que

te excite,

minha língua te dá

o êxtase final,

a teoria minha diz-me

que do teu interior alimentado

meu interior alimentador

te concedeu um axioma

imortal!

O tempero da tua buceta,

que buceta temperada,

que buceta bem temperada,

minha língua vai sentindo,

dos lábios maiores da tua vulva

aos lábios menores,

arriscando percorrer cada centímetro

contando com a lasciva sorte

de te oferecer um chupada

de intensa rotação,

giro minha língua,

tu gritas pelo meu empenho,

vou indo mais forte,

tu gritas em teu êxtase final

que me quer com a espada

pronta para o grande canal

da atitude imortal!

O tempero do meu pau

já pedra imortal

em atitude imortal

se prontifica a penetrar-te

pela buceta

com força tal

que alimentos novos temperados

com nosso suor,

espalham-se pelo nosso leito,

meu pau te tempera,

tua buceta me tempera,

somos cozinheiros,

e o teu cuzinho,

Lilith,

quero arrombar como

um chef de cuzinhos

bem matreiro...


Inominável Ser

TEMPERANDO

O CUZINHO

DE LILITH




Nenhum comentário: