quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

As Marcas Que Deixo Nas Vestiduras Todas Das Existencialidades


Eu Pico.


Eu Serpenteio.


Eu Indico.


Eu Anuncio.


Eu Aguardo.


Eu Esquartejo.


Eu Decapito.


Eu Me Dou.


Eu Dou.


Eu Doto.


Eu Adiciono.


Eu Aumento.


Eu Alivio.


Eu Sou A Picada.


Eu Sou A Serpente.


Eu Sou A Indicadora.


Eu Sou A Anunciadora.


Eu Sou A Aguardada.


Eu Sou A Esquartejadora.


Eu Sou A Decapitadora.


Eu Sou A Doadora.


Eu Sou Aquela Que Dota.


Eu Sou Aquela Que Adiciona.


Eu Sou Aquela Que Aumenta.


Eu Sou Aquela Que Alivia.


Se Livres De Mim, Eu Não Me Livro De Ti.


Esqueças De Mim, Eu Não Me Esqueço De Ti.


Fujas De Mim, Eu Não Fujo De Ti.


Enganes A Ti, Tu Não Me Enganas, Humana E Humana, Eu Nunca Sou A Enganada, Eu Sempre Sou A Que Vê Através Dos Olhos Dos Vossos Cus, Dos Prepúcios De Vossos Paus E Das Extermidades De Vossas Bucetas.


É A Hora Serpentina Que Te Aflige, Mulher Cega.


É A Hora Serpentina Que Te Aflige, Homem Cego.


Aos Despertos, Para Os Despertos, Nos Despertos, Eu Estou A Derramar O Sangue Da Verdadeira Vida Como Oceanos De Riquezas Tranquilas E Prazerosas.


Aos Despertos, Para Os Despertos, Nos Despertos, Eu Sou A Jovem Vencedora Da Anti-Natureza E O Brilho Sereno Da Certeza De Toda Verdadeira Pureza.


Aos Despertos, Para Os Despertos, Nos Despertos, Eu Sou A Dama Da Camélia Negra Que Rouba A Vitalidade Do Grande Sol Negro Na Vertigem Da Alta Madrugada Eterna.


Minhas Marcas, Mulher Cega, Em Ti Estão Como Nos Despertos.


Minhas Marcas, Homem Cego, Em Ti Estão Como Nos Despertos.


As Marcas Da Serpente.


As Marcas De Lilith.


As Marcas Daquela Que Suga O Sangue Da Verminosidade E Da Pequenez Existenciais.


As Marcas Daquela Que É A Absoluta Mutável Verdade Da Grandiosidade Existencial.


Reflitam, Cegos!


Aflitos Sejam, Cegos!


Aflitos Sejam Enquanto Forem Os Vermes Que São, Vermes Rastejantes Lambendo O Solo De Mentiras Anti-Naturais!


Acordem, Cegos!


Abram Os Vossos Verdadeiros Olhos, Cegos!


Minhas Marcas Estão Neles!


Estão Em Vossos Verdadeiros Olhos!


Sejam Unos Com O Meu Olhar!


Sejam Unos Com O Olhar Da Serpente!


Sejam Unos Com O Olhar De Lilith!


Unos Como Os Despertos São Comigo!


Unos Como Os Despertos De Todas As Eras São Comigo!


Unos Como Os Despertos Na Grande Guerra Oculta São Todos Comigo!


Unos Como Os Despertos No Grande Dia Do Amanhã Já São Comigo!


Minhas Marcas Ferem!


Minhas Marcas Matam!


Minhas Marcas Ressuscitam!


Minhas Marcas São Tuas Melhores Armas Contra A Decadência De Vossa Humana Raça Desgraçada!


As Marcas De Lilith: Vejam-Nas!


As Marcas De Lilith: Toquem-Nas!


As Marcas De Lilith: Abracem-Nas!


As Marcas De Lilith: Beijem-Nas!


As Marcas De Lilith: Seduzam-Nas!


As Marcas De Lilith: Deflorem-Nas!


As Marcas De Lilith: Amem-Nas!


As Marcas De Lilith: Aceitem-Nas!


As Marcas De Lilith: Marquem-Nas!


E Comigo, Enfim, Vençam As Temidas Anti-Naturais

Alvoradas!


E Comigo, Enfim, Vençam Os Temidos Anti-Naturais Crepúsculos!


E Comigo, Enfim, Marquem Toda A Criação Com O Grande Serpentino Grito De Verdadeira Revolução Das Naturais Obras!


Lilith Marcou-Te, Humana!


Lilith Marcou-Te, Humano!


Como Vossa Mãe, Eu Assim Vos Tenho Como Meus!


Como Vossa Mãe, Vós Me Tens Assim Como Eu Sou!


E O Que Eu Sou É Uma Marca Do Beijo Serpentino Do Verdadeiro Amor!


E O Que Eu Sou É A Serpente Que Pica As Vossas Almas Em Verdadeiro Amor!


Inominável Ser

AS MARCAS

DE

LILITH















As Mil E Uma Fodas Das Eternas Noites


Os fins dos calores anuais

não chegam aqui

a este meu corpo,

eu estou a suar sempre

e a sempre ficar com

o pau duro indecente

ao pensar nas noitadas

de passagens pelos

Vossos Reinos,

Vossos Impérios,

Vossos Palácios,

Lilith...


Calores de desertos,

mil e um desertos...


Mil e um desertos,

calores de mil e um

desertos...


Calores,

ando pelos desertos,

não tenho sede,

não tenho calor,

eu suo apenas porque

penso no que fazer

vendo-te a me aguardar

como uma odalisca indecente

de indecente olhar...


Odalisca Serpentina,

Descobridora Dos Tesouros

Dos Mil E Um Desertos,

os cânticos da minha cimitarra

direcionam-se para cima,

são cânticos coroando

as areias presentes nas solas

dos meus sujos pés,

são cânticos coroando

as marcas dos desertos

em minha face,

quem verdadeiramente

fita a minha face

como Tu fitas,

Lilith,

Sabe que eu vim do

Deserto,

Sabe que eu sou do

Deserto,

Sabe que eu vivo no

Deserto,

Sabe que eu amo o

Deserto!


Sou serpente,

Serpente Do Deserto,

Vosso Filho

Serpente Macho,

me arrasto nas Mil E Uma

Eternas Noites

em direção ao oásis

de águas purificantes

que é o interior todo

de vossa buceta de odalisca

das mais dadivosamente

oferecidas,

me arrasto

no Deserto,

me arrasto

para dentro da Vossa

buceta de odalisca

que a mim se oferece,

buceta das mil e uma

bucetas,

buceta das mil e uma

fodas!


Sheerazade e Yasmina

cantam uma ode profana

e antiga

ao Vosso bucetante

serpentear de mil e uma

fodas,

Sharama e Shagamina

nos conduzem através

de mil e uma histórias

de noites eróticas

dos desertos todos

do Deserto,

Sadama e Amagatara

nos oferecem a visão

da foda de duas

Damas Dos Mil E Um

Desertos Do Grande

Deserto!


Reina,

Veja,

Lilith,

Reina ali nas mil e uma

fodas

uma condutora linha

de Caminhos Da Foda

Das Auroras

E Dos Crepúsculos,

O Grande Sol Negro

nascendo a partir

de Vossa Vulva,

que é A Criação Serpentina

De Todas As Mães

Do Deserto,

vem a nos posicionar

em Mil E Uma Fodas

Aos Pés Do Deserto

Em Vosso Altar!


Mil E Uma Fodas,

eu suporto,

eu quero,

eu desejo,

eu peço!


Mil E Uma Fodas,

dê-me,

Lilith!


Mil E Uma Fodas,

continuemos nelas,

Lilith!


Mil E Uma Fodas,

avancemos nelas,

Lilith,

mais

mais

mais

mais

mais

mais

mais

mais

mais!


Mil E Uma Fodas,

vai,

Lilith,

vem

vem

vem

aqui me dar

Mil E Uma Fodas

Nas Eternas Noites!


As Vossas Eternas

Noites!


As Vossas Mil E Uma

Fodas!


As Nossas Eternas

Noites!


As Nossas Mil E Uma

Fodas!


Uau,

mil e uma fodas,

sou um garanhão

que Te desafia,

Odalisca Serpentina

Lilith,

não vou fugir,

não vou pedir arrego

e nem vou brochar...


A primeira foda,

por favor,

Serpentina Senhora!


Inominável Ser

EM MIL E UMA

FODAS

COM A ODALISCA

SERPENTINA

LILITH













Banhando-Se Contigo Na Espuma Das Trevas Abismais


O Portão Negro

abriu-se,

sangue e pólvora

dos Tempos Obscuros

Da Criação

sendo despejados

dentro do meu

abismal coração.


Meus olhos lacrimejaram,

eu chorei de saudades

da minha perdição

nos Reinos Mais Baixos,

saudades de meu Existir

como Bestial,

assassino

e carrasco.


Saudades do Abismo,

diante do Portão Negro,

saudades que tive que deixar

no Limbo,

eu precisava atravessar

aquele Eterno Ferro

De Infinita Extensão,

eu precisava retornar...


Retornar ao meu Lar,

precisava retornar

ao meu Lar,

o meu Verdadeiro Lar,

O Abismo,

Ela me aguardava Lá,

Lilith me aguardava

Lá...


Ultrapassei o Portão,

cumprimentei o Grande

Guerreiro Guardião

De Negras Asas

que recebe a todos que

atravessam-no,

caminhei em direção

ao Lago...


Em direção ao Lago,

Ela me chamava

do Lago,

O Lago Do Abismo

Que Vocifera E Revela

As Palavras Do Caos

Em Verdadeiro Aspecto,

O Aspecto Automanifesto...


Ela,

Lilith,

me chamando,

e eu diretamente

me orientei a ouvi-La,

a Voz Dela é como

A Canção Da Vida,

Ela dá-me A Verdadeira Vida...


Lilith me chamando,

eu caminhando nas

Trevas Abismais,

ouvindo os gemidos

dos meus Negros Ancestrais,

minha Família Espiritual

reencontrei por Lá

em formas Bestiais...


Eu não podia parar,

eu tinha que caminhar,

eu precisava caminhar,

continuei caminhando,

guiado pela Voz Dela,

A Voz Da Serpente,

nas Trevas Abismais

que me rodeavam!


Não parei,

nas Trevas Abismais

continuei a caminhar,

nas Trevas Abismais

continuei a ouvi-La,

nas Trevas Abismais

continuei a ir em direção

ao Lago!


Ao Lago,

eu caminhava,

Via queridas visitas,

Amigos Do Abismo,

Irmãos Do Abismo,

Pais Do Abismo,

Mães Do Abismo,

A Serpente No Abismo!


Nas Trevas Abismais

a Voz Da Serpente

me guiava,

meus olhos apenas notavam

que a noite em tudo

pesava,

A Grande Noite Abismal

Pesava...


A Balança Abismal

Pesou-Me,

eu estava preparado para

nadar no Lago,

e cheguei ao Lago

vendo entre as Trevas

a nudez Dela,

A Nudez Da Serpente.


Despido eu já estava,

despido diante Dela

eu já estava,

nadei em direção a ela,

a espuma do Lago

me envolvia,

as risadas Dela

me motivavam.


Cheguei aos pés Dela,

que estava parada

sobre as águas,

e beijei os dois pés

que estremecem todo

O Abismo

quando o solo abismal

toca.


Beijei aqueles pés,

os pés de Lilith,

que me ergueu dando

risadas,

eu fiquei parado sobre

as águas,

a espuma em mim,

a espuma Nela.


Beijei aqueles pés,

os pés de Lilith,

pés que acariciaram

meu rosto de filhotinho

do Abismo,

pés que acariciaram

meu tórax de Guerreiro

Do Abismo.


Ela abriu as pernas,

Lilith abriu as pernas,

e a espuma nos envolveu

na mais densa aura

de negras atmosferas,

minha face teceu

um manto acariciante

da Vulva Dela...


Meu rosto,

meu rosto na Vulva

De Lilith,

meu rosto naquela espuma

que glorificava cada odor

e cada tempero da carne

Dela,

A Carne De Lilith...


Meu rosto,

rosto na Vulva De Lilith,

Ela se mexia,

Ela me sentia,

Ela se recriava,

Ela me recriava,

nós naquela espuma

atingimos o Negro Clímax...


O Negro Clímax

no momento em que meu pau

tocou nas paredes do interior

da buceta dela,

a buceta maravilhosamente

mágica

de Lilith,

buceta magicamente bela...


O Negro Clímax,

o roçar de toda a pele

do meu pau

nas paredes do interior

da buceta de Lilith,

roçar entre as espumas,

espumas de infinitas buscas...


O Negro Clímax,

com o meu pau enfiado

na buceta de Lilith

naquelas espumas da espuma

que pelo Abismo se fez presente,

eu me senti senhor de mil

portos de países distantes

de qualquer Criação...


Entre as espumas

da Espuma Das Trevas

Abismais,

fui o cavaleiro que antecipa

toda a sua conquista

deflorando a Negra Virgem

que sangrou

e deu à luz serpentes!


Da buceta de Lilith

no Negro Clímax,

Serpentes Abismais envolvidas

em meu esperma

e no gozo dela

sobrevoaram as Abismais Esferas

e envolveram todos os

Abismais Horizontes!


Do meu esperma,

do gozo de Lilith,

através da Espuma,

Novas Negras Existências

se formavam enquanto

meus dedos agiam no cu

e na buceta Dela,

na Espuma na Espuma!


Nasciam,

Nasceram,

Nascem,

tudo Daquela Espuma

Nasce,

a Espuma do meu querido

Abismo,

a Grande Espuma!


Meus dedos agindo,

agindo no cu e na buceta

da envolvida em espumas

Lilith,

eu adentrando mais

no meu Lar Abismal,

eu agora dentro a mais

no Abismal do meu Lar!


A Espuma,

A Espuma,

A Espuma,

o cheiro Dela,

o cheiro do Abismo,

o cheiro de Lilith,

aqui aqui aqui aqui

aqui aqui aqui aqui...


A Espuma,

aqui

aqui

aqui

aqui

aqui

aqui

aqui...


aqui

aqui

aqui

aqui

aqui

aqui

aqui

aqui...


Inominável Ser

BANHADO

NA ESPUMA ABISMAL

COM LILITH