segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Aderindo A Uma Doutrina De Lambidas Vertiginosas...



O gosto atravessa a treva intensa,

a terra densa se ergue,

tem algo na guerra da carne

que me equilibra

entre o furor danoso

e os furos deliciosos

de vosso corpo,

intensificante

intensificada

intensificadora

Lilith...


Teu odor é o de uma púrpura

que se deixa molhar

pelo perfume dos amores

que feitos são

entre os cadáveres,

os brutos cadáveres dos sacrifícios

diante dos Altares Negros

De Kolak,

os estúpidos cadáveres dos sacrifícios

diante dos humanos altares

da humana existencialidade...


Teu odor,

Lilith,

assim a mim chegando como

um furação possuidor de

lindas esferas de proibidas

possessões

e possessor deste meu corpo

que proibido está

a qualquer outra que não sejas

Tu,

sai de Vossa vulva

toda escondidinha,

escondidinha aí contigo deitada

de bruços e me oferecendo

uma visão divina...


Minha língua

regendo um desejo sinfônico

de mil sons de luxúrias

em maravilhosas depravadas...


A língua minha de safado,

a lingua minha de devasso,

a língua minha de depravado,

a língua minha...


A língua,

Lilith,

como há maneiras nobres

de utilizá-la em Ti,

em Ti que doma todas

as línguas

e é todas as línguas

entrelaçadas em beijos,

envolvidas em chupadas

de cus,

envolvidas em chupadas

de peitos,

envolvidas em chupadas

de bucetas,

envolvidas em chupadas

de pirocas...


Minha língua,

a língua minha,

és Tua,

Tua,

Mãe Indecente Das Línguas,

meus pensamentos exigem

um material encaminhamento,

estou me encaminhando,

melhor dizendo,

a minha língua está

caminhando...


Minha língua...


Caminhando...


Aprendendo uma doutrina!


Minha língua...


Caminhando...


Ah,

que dedinhos dos pés,

Teus pés,

Lilith,

saborosíssimos!


Aprendendo!


A doutrina!


Minha língua...


Caminhando...


Ah,

que panturilhas,

Tuas panturilhas,

Lilith,

saborosíssimas!


Aprendendo a doutrina!


Uma doutrina!


Minha língua...


Caminhando...


Ah,

que joelhos,

Teus joelhos,

Lilith,

saborosíssimos!


Aprendendo!


Uma doutrina!


Minha língua...


Caminhando...


Ah,

que coxas,

Tuas coxas,

Lilith,

saborosíssimas!


Aprendendo!


A doutrina!


Minha língua...


Caminhando...


Fim do caminho...


É o fim do caminho...


Não quer que eu

pare aqui,

Lilith?


Não quer que eu

pare aqui

porquê,

Lilith?


Por que reclamas,

Lilith?


Não,

Lilith,

não me esqueci

de tuas costas,

de teus braços,

de teu pescoço,

de teu rosto,

de teus peitos,

de teu abdômen,

de teu bumbum...


Mas,

me deixa ficar aqui

na tua bucetinha

de lábios que me chamam

apenas por algumas horas,

minha língua precisa

aprender outras doutrinas

de uma maneira

a mais saborosa...


Algumas horas aprendendo...


Algumas horas aprendendo...


Algumas horas aprendendo...


Doutrina Maior Dos Lambedores

De Bucetas Cabeludas

E Carnudas!


Melhor do que todas as minhas aulas

no curso de Filosofia...


Inominável Ser

APRENDENDO

A DOUTRINA

LAMBENDO A BUCETA

SABOROSÍSSIMA

DE LILITH










Nenhum comentário: