quarta-feira, 15 de abril de 2009

Eu, Negra E Rubra, Doutrino Para Ensinar O Amor Às Trevas E O Amor Ao Sangue


Chamo A Negra Aurora E Eu Su A Negra Aurora.


Chamo A Rubra Aurora E Eu Sou A Rubra Aurora.


Chego Na Corrida E Recebo A Chegada.


Corro Na Corrida E Espalho A Praga.


Repetem Meu Nome Os Negros Filhos Da Negra Estrada.


Repetem Meu Nome Os Rubros Filhos Da Rubra Estrada.


Eu Sou Aquela Que Tem Trevas No Sangue.


Eu Sou Aquela Que Tem Sangue Nas Trevas.


Arrebato A Negra Fúria Dos Astros E Sou A Própria Negra Fúria Dos Astros.


Arrebato A Rubra Fúria Dos Astros E Sou A Própria Rubra Fúria Dos Astros.


Trago A Rebelião Dos Negados.


Trago A Rebelião Dos Sangrados.


Rasgo O Véu Da Disciplina Das Formas E Sou A Indisciplina Das Reformas.


Muitos Tremem Na Luz Por Eu Ser A Luz Que A Verdade Dos Corações Mais Puros Quer Sempre Negar.


Nutro O Ódio Do Homem E Da Mulher Que Querem Da Falsa Luz Anti-Natural Se Libertar.


Aguardo A Mulher E O Homem De Negro Ódio Me Evocar.


Aguardo A Mulher E O Homem De Rubro Ódio Me Evocar.


Estabeleço A Minha União Com Os Que Odeiam A Brancura Das Mentiras E Erros Da Cruz Do Maldito Cordeiro.


Estabeleço A Minha Aliança Com As Hordas Dos Abismos E As Hordas Dos Infernos Que Sabem Da Minha Segura Coloração.


Meus Gritos São O Negro Ódio Doutrinante.


Meus Gritos São O Rubro Ódio Doutrinante.


Eu, Negra, Danço!


Eu, Rubra, Danço!


Eu, Negra, Admito O Negro Ódio Como A Força De Existenciais Avanços!


Eu, Rubra, Admito O Rubro Ódio Como A Força De Existenciais Avanços!


Odeiem Ao Cordeiro, Serpentinos Filhotes De Serpente, A Serpente Que Eu Sou!


Odeiem Aos Fracos Que Almejam As Muletas De Um Deus Uno Que Eu Esmago Com Os Meus Pés!


Olhem Para Os Meus Pés Enquanto Eu Danço Na Escuridão!


Olhem Para Os Meus Pés Enquanto Eu Danço Nos Rios De Fogo Dos Infernos!


Sangue Neles!


Sangue Nos Meus Serpentinos Pés!


Não É O Meu Sangue!


É O Sangue Do Cordeiro Inimigo Seguidor E Filho Do Anti-Natural!


É O Sangue Do Deus Uno Inimigo Que É O Anti-Natural!


E O Meu Negro Sangue Cai!


E O Meu Rubro Sangue Cai!


Cai Sobre Vós, Meus Serpentinos Filhos, Que Ao Cordeiro Odeiam!


Cai Sobre Vós, Meus Serpemtinos Filhos, Que Ao Deus Uno Odeiam!


Cai Sobre Vós, Meus Serpentinos Filhos, Que Ao Anti-Natural Odeiam!


A Negra Lilith Assim Desce Sobre Vós!


A Rubra Lilith Assim Desce Sobre Vós!


Ensino A Negra Rota!


Ensino A Rubra Rota!


Escrevam Por Si Mesmos Vossas Negras Rubras Rotas!


Inominável Ser

A NEGRA

E RUBRA

LILITH








Nenhum comentário: