terça-feira, 14 de abril de 2009

O Negro E O Rubro Do Corpo Que Me Amarra


Amo,

Adoro,

O Império Da Escuridão,

deito-me nas Trevas

com a razão envolta

na delicada delícia

de Te encontrar Nelas

bem nua

e bem sedutora

como a lanterna de depravadas

luzes revoltadas

com as falsidades que o sol

da gente humana limitada

faz durante o maldito verão

presentes no durar

dos malditos dias claros.

As Trevas são o meu cobertor,

Vosso corpo é

meu travesseiro,

Lilith,

sinto-Te esfregar-Se em mim,

Vossos pés massageando-me

o pau duro a fim de Te

atravessar como um foguete

que irrompe na Escuridão

Do Noturno Firmamento

Do Noturno Mar...


Serpentino Amor

Na Escuridão,

Serpentina Adoração

Na Escuridão,

as gotas do orvalho tecem

uma queda exata

entre a dimensão infinita que há

a separar e a unir

o olho do Vosso cu

e o olho da Vossa buceta,

uma visão que tenho

na Escuridão da minha cova

ao te lamber o buraquinho

do cu

e o buraquinho

da buceta...

Bela amável imagem artística

assim tenho...

Bela adorável imagem artística

assim traduzo...

Nosso amigo Courbet

adoraria pintar-Te

essa artística região acessível

a todos os homens e mulheres

de luxuriante vontade,

bastaria que Tu posasses

diante dele

como posas diante de mim...

Mas,

para Courbet,

em França do décimo nono século,

Tu muito posastes

e lá eu estava,

bem perto estava,

para sempre ver-Te

ao lado de nosso amigo

Courbet...


A minha Súcubo,

Vossa Filha,

Minha Irmã,

a nós se une para

o banquete carnal perfeito

oferecido pela Mesa

Da Escuridão Encontrando

A Sangrenta Devassidão!

Assim como chupo

cada dedinho de Vossos pés,

Lilith,

eu chupo cada dedinho dos pés

da minha Súcubo!

Chupo os dedinhos

dos pés das duas

ao mesmo tempo,

lambendo lambendo lambendo

cada um deles

com um negro rubro carinho

sedento de sangue!

Mordo Vossos dedinhos,

mordo os dedinhos Dela,

ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah,

Sangue Da Serpente

E De Uma Súcubo

Na Escuridão

Bebido Vem A Ser

Com A Serena Tremulante

Volumosa Fome

Que Se Aplaca

Lentamente Em

Sucções Infindas

Sem Nomes...


Os pezinhos das duas,

os pezinhos sangrando

sendo sugados

na Escuridão da minha cova...

Toca A Música

Dos Aniquiladores

De Almas Puras...

Toca A Música

Dos Trevosos

De Todas As Manhãs...

Toca A Música

Dos Filhos Da Irmandade

Da Escuridão Eterna...

Toca A Música

Dos Reis Das Quatro Faces

Da Escuridão Revelada...

Toca A Música

Da Sociedade Vampírica

Da Escuridão Velada...

Eu,

Tu,

Ela,

ouvindo de olhos abertos

vendo sangue a banhar-me

os lábios

e a fazer-Lhes sentir

rubros negros orgasmos

que dão lugar ao Nascer

De Filhos Místicos Impuros

Na Mesma Hora

Do Primeiro Chorar

E Do Primeiro Respirar

Estrangulados...


Inominável Ser

SUGANDO NA

NEGRA RUBRA ESCURIDÂO

O SANGUE DE SUA SÙCUBO

E O SANGUE DE

LILITH








Nenhum comentário: