quarta-feira, 15 de julho de 2009

Me Ame Como A Poesia Que Se Dedica A Sibilar Em Vosso Poético Ser


Ao Som Da Lira De Nahemah

Minha Irmã Que Comigo

Aqui Está

Vou Versando Sobre

O Amor Que Posso Ser


Ao Som Da Lira De Nahemah

Minha Irmã Que Comigo

Aqui Está

Vou Versando Sobre

O Amor Que Posso Dar


Ao Som Da Lira De Nahemah

Minha Poetisa Irmã

Vou Poetizando Sobre Como

Vós Deveis

Me Amar


Não Sou Do Tipo

Que Exige Almas Absortas

No Ledo Engano

De Apenas Amar

Em Condições Mundanas


Não Sou Daquelas

Que Exigem A Força

De Um Amor Movido

A Interesses Os Mais

Estranhos


Não Sou Oferecida

Por Oferecer-Me

Ou Por Ser A Simples

Puta Vadia

Que Adoro Ser


Eu Amo Como Amo

Sibilando E Picando

Aquelas E Aqueles

Aos Quais Posso

Revelar-Me Em Ser


Eu Amo O Que O Amor

De Serpentino Tem

A Oferecer

E Corro Nas Veias

Dos Deuses Do Amor


Quem Pode Me Amar

Deve Possuir Em Si

A Chave Do Meu Coração

Que Bate Poético

Por Cada Coração A Amar


Quem Me Conhece

De Verdade

Sabe Que Não Estou

Longe Das Pontes

Do Coração E Da Alma


Quem Me Conhece

De Verdade

Sabe Que Não Sou

Estátua Inerte

Em Inertes Altares


Quem Me Conhece

De Verdade

Narra Que Eu Sou

Movimento Genuíno

De Um Amor De Verdade


Amor De Verdade

Como O Amor

Da Poesia

Por Toda

Serpentina Lira


Amor De Verdade

Como O Amor

Da Poesia

Por Todo

Serpentino Coração


Amor De Verdade

Como O Amor

Da Poesia

Por Toda

Serpentina Alma


Sou A Serpente

Que Poetiza

A Serpente Poetisa

De Lábios Que Versam

Sobre Sibilares Amores


Sou A Estranha

Para Os Conhecidos

Sou A Conhecida

Para Os Estranhos

E Assim Poetiso


Minha Lira

Concorre Com

A Lira De Nahemah

E Juntas Ressoam

No Poético Mar


Minha Lira

É A Minha Vulva

Toda Aberta

Para Todo

Poetizar


E Não Digam

Que Lilith

Não Sabe Poetizar

E Nem

Declamar!


E Não Digam

Que Lilith

Não Sabe Poetizar

E Nem

Amar!


O Que Eu Mais Faço

É Sibilar

Para A Poesia

E Para O Amor

Pelo Verdadeiro Amar!


Inominável Ser

A SERPENTE POETISA

LILITH








O Sabor Das Frutas, O Sabor Dos Legumes, O Vosso Sabor... E A Poesia Mais Frutíficante


um prato

oferecido

disposto na mesa

dos meus

sonhos realizados


pratos

a mais

oferecidos

uma invejável

poesia alimentante


invejam os que

alimentam-se de Ti

Lilith

envolvente alimentar

de todo alimentar


invejam-Te

Lilith

Vossa Coroa tem o sabor

dos selvagens frutos

e dos libertinos legumes


quero-Te

Lilith

Vossos braços são

maças adoráveis

que degustar desejo


quero-Te

Lilith

Vossas mãos são

laranjas doces

que chupar desejo


quero-Te

Lilith

Vosso pescoço é

tomate raro

que morder desejo


quero-Te

Lilith

Vosso colo é

alface liso

que mastigar desejo


quero-Te

Lilith

Vossos seios são

limões açucarados

que sugar desejo


quero-Te

Lilith

Vosso abdômen é

abóbora deliciosa

que comer desejo


quero-Te

Lilith

soma-se tudo

desce tudo

legumes e frutas


quero-Te

Lilith

dos quadris aos pés

legumes

frutas


quero-Te

Lilith

como banquete elementar

que meus dentes anseiam

por experimentar


quero-Te

Lilith

no anelo mais dedicado

ao saborear mais desejável

do Vosso corporal lar


quero-Te

Lilith

esplendidamente degustável

extremamente temperada

espontaneamente servida


quero-Te

Lilith

café-da-manhã

almoço

jantar


quero-Te

Lilith

comer

comer

comer


quero-Te

Lilith

mastigar

mastigar

mastigar


quero-Te

Lilith

degustar

degustar

degustar


Inominável Ser

DESEJANDO

COMER

A LEGUMINOSA

FRUTÍFERA

LILITH








O Cheiro Do Vosso Cu Inspirando-Me O Poetizar


ai

cheiro

cheiro

cheiro

cheiro


cheiro de cu

um cu doce

um cu docinho

um cu fadado

a perder as preguinhas


cu que é religião

cu que é de santa

cu que é de juíza

cu que é de advogada

cu que é de policial


cu que é de enfermeira

cu que é de professora

cu que é de governanta

cu que é de secretária

cu que é de engenheira


cu que é de empresária

cu que é de jogadora de pelada

cu que é de tenista

cu que é de corredora

cu que é de roedora


cu que é de chupeteira

cu que é de rameira

cu que é de prostituta

cu que é de vagabunda

cu que é de piranhuda


cu que cheiro

com um gosto

grande

de chef da cozinha

dos cheirosos cus


Vosso cu

Lilitu

cu danoso

cu bondoso

cu formoso


Vosso cu

Lilitu

cu jocoso

cu limpinho

cu sujinho


Vosso cu

Lilitu

cu poderoso

cu portentoso

cu pomposo


Vosso cu

Lilitu

que cheiro

todo dia

toda hora morta e viva


Vosso cu

Lilitu

que mesmo soltando

um peito

continua a ser-me inspirador


que cheiro bom

que cheiro tão bom

que cheiro inspirador

deste safado poeta

que Te cheira o cu


ai

que cheiro

ai que

que cheiro

ai que que


cheiro


que cheiro


cheiro


cheiro de cu


cheiro de cu


cheiro de cu


o cu de Lilitu


o cu de Lilitu


o cu de Lilitu


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


CU CHEIROSO


um cu

que eu nunca

vou me cansar

de

cheirar


Inominável Ser

CHEIRANDO AGORA

O INSPIRADOR CU

DE LILITH








Estendida Na Poesia Dos Negros Lençóis De Seda


fala

Demônio

ao lado meu

fala

Dela


fala

Demônio

Daquela Serpente

ali deitada

com as pernas lisas


fala

Demônio De Lilith

da Vossa Mãe Lilith

também minha

Mãe Amada


fala

Dela

fala

Dela

fala


sinto o odor

da Vulva Dela

junto com o odor

das axilas Dela

junto com o odor


dos cabelos Dela

junto com o odor

dos seios Dela

junto com o odor

dos pés Dela


junto com o odor

dos lábios Dela

junto com o odor

das coxas Dela

junto com o odor


de uma Senhora

que se esparrama

resolutamente puta

acima de lençóis

de negra seda


sintamos

Demônio

os odores de nossa

Mãe Lilith

deitada ali


ali deitada

onde se deitaram

todos os amantes

que Ela tem

pelas Humanidades


ali deitada

onde até Jesus de Nazaré

se deitou

para meter o celeste pau

dentro do cu Dela


ali deitada

onde Tu

Demônio Meu Da Guarda

meteu bem dentro

do cu Dela


ali deitada

meu querido Demônio

onde eu

meti muito bem dentro

do cu Dela


vejas

Demônio

Ela nos chama

nos chama

adormecendo


ouças

Demônio

Ela nos vê

nos vê

despertando


toques

Demônio

Ela nos silencia

nos convocando

agora


vamos

Demônio

nós dois com Ela

um ménage delicioso

com uma serpente foda


nós dois

com Ela

Demônio

naqueles negros lençóis

de seda


negros odores

negros sentidos

negros afirmativos rumos

de nossas consciências

dentro do corpo Dela


Ela cheira

Ela atrai

Ela nos arremessa

em direção ao

fundo Dela


Ela nos cheira

Ela nos faz atraentes

Ela chama as

Bacantes De Tit Aisoun

para a suruba


Ela continua ali deitada

Ela quer ficar ali deitada

e nos chamou apenas

para que as Bacantes

nos devorassem


Deixemos

Demônio

Bacantes nos devorarem

nossos ossos ficarão deitados

ao lado de Lilith


Deixemos

Demônio

as Bacantes arrancarem

os nossos ossos

para Lilith


Deixemos

Demônio

Lilith quer-nos perto Dela

e nossos ossos não sairão

daqueles negros lençóis


Inominável Ser

NAQUELES

NEGROS LENÇÓIS

COM O SEU

DEMÔNIO DA GUARDA

EM OSSOS

PARA LILITH