segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Incorporo Em Todos Com Todos Os Nomes Da Carnal Loucura!



Meu Avanço É Dinamitante
Das Seguranças
Moldadas Pelas Vossas
Existenciais Travas.
Seguro Cada Uma Destas
E Com Meus Dentes
Arranco-As De Vossas
Ridículas Almas.
Bem Dentro Arraso
Todas As Vossas
Estruturas Tão Tolas,
Rasgando As Paredes
De Vossas Torres,
Mastigando As Cinzas
De Vossos Sonhos,
Cuspindo Nas Sombras
De Vossas Alegrias
E Sangrando Acima
De Vossos Pensamentos.
Onde Eu Me Encontro
Dentro De Vós,
Humanos?
Onde Podem Me Encontrar
Dentro De Vós,
Humanos?
Onde Podem,
Malditos Humanos,
Me Encontrar Aí Dentro
De Vossas Carcaças
Que O Tempo Tratará
De Apodrecer?

Perguntem Às Vossas
Tolas Carnes.

Perguntem Às Vossas
Tolices Carnais.

Perguntem Às Vossas
Tolas Vestes Carnais.

Perguntem
E Me Encontrarão
Na Ardente Loucura
Do Verdadeiro
Prazer!

Perguntem
E Me Encararão
Na Profunda Loucura
Do Verdadeiro
Êxtase!

Perguntem
E Me Encantarão
Na Profunda Loucura
De Vossas Carnes
Em Verdadeira
União!

Incorporem
A Minha Loucura,
Humanos,
Vistam As Minhas
Escamas,
Vistam As Minhas
Penas!
Sibilem Com A
Coruja,
Piem Com A
Serpente,
No Encontro Maior
Com A Verdade
De Meus Nomes
Em Vossos Membros
Nas Chamas
Da Foda!
Como A Coruja,
Como A Serpente,
Despojem-Se Do Lixo
Que Vossa Humanidade
Depositou Em Vossos
Eus!
Despojem-Se
E Sejam Carne
De Minha
Carne!
Despojem-Se
E Sejam A Loucura
Da Minha
Loucura!
Despojem-Se
E Sejam Os Nomes
Dos Meus
Nomes!

E Juntem Vossos
Corpos,
Atem Vossas
Carnes,
Ao Meu
Luxurioso Nome
Indecifrável!

Inominável Ser
LILITH




Da Assassina Loucura Inominável



A sanidade é uma
desgraça civilizada,
entorpece os sentidos,
inibe os instintos.

Sanidade não é um
bom nome a se pronunciar,
é um termo menorizante,
é um troço humilhante.

Loucura é o que deve
em tudo haver,
Loucura é o que faz
verdadeiramente ver.

Loucura na mente,
Loucura no espírito,
Loucura na carne:
para criar!

Loucura nas trepadas,
Loucura nas chupadas,
Loucura nas dedadas:
para recriar!

Loucura no gozo,
Loucura no esperma,
Loucura orgásmica:
para ser Creador

para ser Creadora

Para Ser Criação!

Vidas fantásticas,
ilimitadas,
sem ansiedades,
sem proibições!

Focas sinistras,
desenfreadas,
sem correntes,
sem traições!

Fodas enlouquecidas,
desesperadas,
sem proteções,
sem desconfianças!

Fodas artisticamente
realizadoras,
sem impedimentos,
sem irrealizações!

Fodas,
Foda,
A Foda,
Foder!

Assassina loucura
inominável
é
foder…

Assassina loucura
inominável
é
apenas foder…

Assassina loucura
inominável
é
sempre foder…

E a responsável exata
por todo enlouquecimento
da carne mais livre
é A Voz Da Luxúria Inominável.

Inominável Ser
ASSASSINO
LOUCO
INOMINÁVEL
DA CARNE

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Da Assassina Loucura Alquimizante



A foda
é a Obra Em Negro
que ordena à carne
que alto fale.

Mexer para dentro
e para fora
é a Obra Em Vermelho
Primordial.

Gozar bem lá dentro
é a Obra Em Branco
que guia a carne
ao Êxtase Transcendental.

Transmutada,
a carne se torna
A Carne,
Volátil Animal.

Transmutada,
a carne se desdobra
na Carne,
Sutil Animal.

Transmutada,
a carne se transmite
à Carne,
Fixo Animal.

Do gozo
ao Maior Substancial,
eis a assassina loucura
alquimizante.

Do gozo
ao Supremo Essencial,
eis a assassina loucura
alquimizante.

Do gozo
ao Absoluto Final,
eis a assassina loucura
alquimizante.

Loucura de inomináveis
transbordamentos:
substancial gozo
fatal.

Assassínio de inomináveis
arrebatamentos:
essencial gozo
torrencial.

Alquimia de inomináveis
enlevamentos:
final gozo
além-do-racional.

Solve,
gozando da carne
no esperma
a escorrer.

Et,
gozando na carne
no gozo
a escorrer.

Coagula,
gozando em carne
no unico líquido
a sorver.

Alquimicamente abordável
é o efeito da superior obra
nos túneis carnais guiando
aos Vales da Luxúria Inominável.

Inominável Ser
ASSASSINO
LOUCO
ALQUIMISTA
DA CARNE